Casa > Universo > A canção de amor de J. Alfred Prufrock

A canção de amor de J. Alfred Prufrock

ouso perturbar o universo
habboin 16/11/2021 Universo 1075
Se eu acreditasse que minha resposta era Uma pessoa que nunca mais voltou ao mundo, Essa chama starias sem mais choques. Mas por causa desse fundo eu nunca mais volto vivo, se ouço a verdade, sem medo ...
S'io credesse che mia risposta fosse A persona che mai tornasse al mondo, Questa fiamma staria senza piu scosse. Ma perciocche giammai di este fundo Non torno vivo alcun, s'i'odo il vero, Senza tema d'infamia ti rispondo. Vamos então, você e eu, Quando a noite se estende contra o céu Como um paciente eterizado sobre uma mesa; Vamos, por certas ruas semi-desertas, Os resmungões retiros De noites agitadas em hotéis baratos E restaurantes de serragem com conchas de ostra: Ruas que seguem como um argumento tedioso De intenções insidiosas Para levá-lo a uma questão avassaladora .. . Oh, não pergunte: "O que é isso?" Vamos fazer a nossa visita. Na sala as mulheres vão e vêm Falando de Michelangelo. A névoa amarela que esfrega as costas nas vidraças. A fumaça amarela que esfrega seu focinho nas vidraças Lambeu sua língua nos cantos da noite, Demorou-se nas poças que ralos, Deixou cair sobre suas costas a fuligem que cai das chaminés, Escorregou pelo terraço, fez um salto repentino, E vendo que era uma noite suave de outubro, Curvou-se uma vez pela casa e adormeceu. E de fato haverá tempo Para a fumaça amarela que desliza ao longo da rua, Esfregando suas costas nas vidraças; Haverá tempo, haverá tempo Para preparar um rosto para encontrar os rostos que você encontra; Haverá tempo para assassinar e criar, E tempo para todos os trabalhos e dias de mãos Que levantam e soltam uma pergunta em seu prato; Tempo para você e tempo para mim, E tempo ainda para cem indecisões, E para cem visões e revisões, Antes de fazer um brinde e chá. Na sala as mulheres vão e vêm Falando de Michelangelo. E de fato haverá tempo. Perguntar-se: "Eu ouso?" e, "Eu ouso?" É hora de voltar e descer a escada, Com uma careca no meio do meu cabelo- [Eles dirão: "Como o cabelo dele está ficando ralo!"] Meu casaco matinal, minha gola subindo firmemente até o queixo, Minha gravata rica e modesto, mas afirmado por um simples alfinete- [Eles dirão: "Mas como seus braços e pernas são finos!"] Eu ouso perturbar o universo? Em um minuto há tempo para decisões e revisões que um minuto reverterá. Pois eu já os conheço a todos, os conheço a todos: - Conheci as tardes, as manhãs, as tardes, medi a minha vida com colheres de café; Eu conheço as vozes morrendo com uma queda agonizante Sob a música de uma sala distante. Então, como devo presumir? E eu já conheci os olhos, conheço todos - Os olhos que fixam você em uma frase formulada, E quando eu for formulado, esparramado em um alfinete, Quando estiver preso e me contorcendo na parede, Então como devo começar a cuspir todas as pontas dos meus dias e maneiras? E como devo presumir E eu já conheço os braços, conheço todos - Braços que são braceletes e brancos e nus [Mas à luz da lamparina, com cabelos castanhos claros!] É o perfume de um vestido Que me faz divagar? Braços colocados ao longo de uma mesa ou enrolados em um xale. E devo então presumir? E como devo começar? Devo dizer que fui ao anoitecer por ruas estreitas E observei a fumaça que sobe dos canos De homens solitários em mangas de camisa, debruçados nas janelas? ... Eu deveria ter sido um par de garras irregulares Correndo pelo chão de mares silenciosos. E a tarde, a noite, dorme tão pacificamente! Alisado por longos dedos, Adormecido ... cansado ... ou fingindo, Esticado no chão, aqui ao lado de você e de mim. Devo eu, depois do chá, dos bolos e dos sorvetes, Ter forças para forçar o momento à sua crise? Mas embora eu tenha chorado e jejuado, chorado e orado, Embora eu tenha visto minha cabeça [ligeiramente careca] ser colocada em um prato, eu não sou profeta - e isso não é grande coisa; Eu vi o momento de minha grandeza piscar, E eu vi o eterno Lacaio segurar meu casaco e rir, E em suma, eu estava com medo. E teria valido a pena, afinal, Depois das xícaras, da geleia, do chá, Entre as porcelanas, entre algumas conversas minhas e de você, Teria valido a pena, Ter mordido o assunto com um sorriso, Para ter espremido o universo em uma bola Para rolar em direção a alguma pergunta opressora, Para dizer: "Eu sou Lázaro, venha dos mortos, Volte para contar a todos vocês, eu contarei todos vocês" - Se for um, estabelecendo um travesseiro sua cabeça, Deveria dizer: "Não foi isso que eu quis dizer. Não foi nada disso." E teria valido a pena, afinal, teria valido a pena, Depois do pôr do sol e dos pátios e das ruas salpicadas. Depois dos romances, depois das xícaras de chá, depois das saias que se arrastam pelo chão ... E isso e muito mais? - É impossível dizer o que quero dizer! Mas como se uma lanterna mágica jogasse os nervos em padrões em uma tela: teria valido a pena se alguém, ajeitando um travesseiro ou jogando um xale, e voltando-se para a janela, dissesse: "Não é isso mesmo, Não foi isso que eu quis dizer, em absoluto. " Não! Não sou o Príncipe Hamlet, nem deveria ser; Sou um senhor assistente, aquele que servirá Para aumentar um progresso, começar uma cena ou duas, Aconselhar o príncipe; sem dúvida, uma ferramenta fácil, Deferente, feliz por ser útil, Política, cautelosa e meticulosa; Cheio de frases altas, mas um pouco obtuso; Às vezes, na verdade, quase ridículo ... Quase, às vezes, o Louco. Eu envelheço ... Eu envelheço ... Vou usar a parte de baixo da calça enrolada. Devo separar meu cabelo para trás? Eu ouso comer um pêssego? Vou usar calças de flanela branca e caminhar na praia. Eu ouvi as sereias cantando, uma para cada uma. Eu não acho que eles vão cantar para mim. Eu os vi cavalgando em direção ao mar nas ondas Penteando os cabelos brancos das ondas sopradas para trás Quando o vento sopra a água branca e preta. Nós nos demoramos nas câmaras do mar Por garotas do mar envoltas em algas vermelhas e marrons Até que vozes humanas nos acordem e nos afogemos.