Casa > Universo > Todos: Por favor, parem de orar para o universo - Palavra em chamas

Todos: Por favor, parem de orar para o universo - Palavra em chamas

como você soletra universo
habboin 01/01/2022 Universo 678
Ocasionalmente, é descoberto que uma pessoa tem oferecido orações ao universo. Talvez esta pessoa esteja simplesmente agradecendo, ou talvez esta pessoa esteja tentando tirar algo da troca ...

Ocasionalmente, é descoberto que uma pessoa tem oferecido orações ao universo. Talvez essa pessoa esteja simplesmente agradecendo ou tentando obter algo com a troca, como uma promoção no trabalho ou um móvel exótico de algum tipo. Mas seja qual for a circunstância - e talvez essa pessoa até tenha sido você, às vezes -, há algo muito importante a se considerar antes de orar ao universo. Predominantemente isto: o universo não é Deus.

O problema aqui identificado parece ser não apenas da multidão de fast-food espiritual, que você pode encontrar rótulos de ingredientes no Trader Joe's ou usando colares de proteção empática, mas mesmo entre os totalmente inequívocos, amantes de bolo de carne e ketchup, avô religioso de colarinho azul que simplesmente e de alguma forma captou os sinais errados sobre quem exatamente está sustentando este empreendimento cósmico aqui. Tenho visto cristãos muito dedicados e atenciosos - geralmente mais jovens, mas alguns deles mais velhos - oferecendo orações e reflexões às estrelas. “Caro Universo, obrigado por me dar Robert. Sempre quis um hamster. É como se você soubesse. ” Em parte, acredito que devemos agradecer a pessoas como Oprah Winfrey. Além disso, Deepak Chopra.

A questão é esta: se por acaso você está orando para o universo, por favor, entenda que você faria muito bem se orasse para uma torradeira ou um ovo cozido, ou mesmo uma lâmpada de lava. O universo é uma criação, não um Criador. As criações podem ser respeitadas e admiradas, mas não devem ser adoradas. Podemos dizer que uma pessoa que oferece orações ao universo está sofrendo de uma confusão ontológica simples (embora severa). O universo é contingente, lembre-se: ele existe, mas não tem que existir, e poderia ter existido de outra forma. Na verdade, parece que houve um ponto em que o universo não existia, mas de repente veio a existir. Resumindo: o universo é um receptor de ser, não um doador de ser. Mas todas essas qualidades são exatamente e precisamente o que não podemos dizer sobre Deus. Porque Deus, se Deus é alguma coisa, é certamente o não contingente e necessário; aquilo que oferece ser a todas as outras coisas que existem (incluindo o universo), e não recebe nada disso para si mesmo. Deus não poderia ter existido de outra maneira, e ele não poderia não ter existido, ponto final. A própria observação (reconhecidamente fantástica) de que existe um universo desnecessário significa, a priori, que deve haver algum fundamento não contingente para explicá-lo: uma realidade que é não criada, não condicionada, não causada; um fundamento que é eterno, perfeito e supremo. Essa é a realidade pela qual devemos orar. Porque essa realidade é Deus.

Mas deixemos toda essa filosofia de lado e examinemos o assunto de maneira simples. Você pode imaginar a expressão de desapontamento carrancudo de Deus quando você chega ao céu (se você chegar no céu ... não sejamos muito presunçosos!) De ter que explicar por que você pensou que uma torradeira, uma espátula ou um aglomerado de estrelas poderiam curar o joanete de sua avó , trazer alguém para se apaixonar por você ou equilibrar seus hormônios? Deus vai nos perdoar por isso - quero dizer, é claro que ele vai, desde que lhe peçamos - porque Deus ama e perdoa a todos. Mas por que arriscar ter que nos explicar? Por que admitir que temos lido Deepak Chopra novamente em vez da Bíblia? Por favor, todos: parem de orar ao universo.

Aqui está o recurso apropriado: entenda que temos a obrigação moral de amar a Deus - não supernovas, nem estrelas cadentes. Não porque Deus precisa que o amemos, mas porque Deus sabe o que é bom para nós e tem em mente o que é melhor para nós. É por isso que ele nos manda amar (porque o amor é muito bom para nós), e é por isso que ele deu revelação sobre quem amar e como fazer. Mas amar alguém é conhecer alguém, e não podemos amar plenamente alguém sobre quem sabemos muito pouco. Jesus não nos instruiu a amar o planeta Urano; ele nos instruiu a amar aquele que criou o planeta Urano e, assim, nos revelou Deus para que possamos estabelecer um relacionamento adequado com ele. Agora, quer estejamos ou não dispostos a pensar sobre Deus filosoficamente, devemos (no mínimo) estar dispostos a ouvir a palavra de Deus e tê-la explicada para nós; devemos estar dispostos a ir à igreja e adorar aquele que por direito merece louvor. Deus disse em termos inequívocos - como a ciência e a filosofia confirmam - que o universo é sua criação, e nós também. Ao contemplar as estrelas, certamente estamos testemunhando um retrato das origens divinas - um retrato que atesta absolutamente o gênio artístico de seu Criador - mas não estamos testemunhando esse Criador diretamente. Estamos simplesmente olhando para bolas de gás muito quentes.